X
Menu
X

4 dicas para inovar estratégias de marketing digital

ProXXIma

Pequenos influenciadores, grandes negócios!

Audiência vende? Pode ser, mas na Era Digital, baseada em data-drivenpeople analytcs, CX e ROI mensurável, muitas vezes ela não convence. Quando todas as relações estão baseadas em conexões em rede, em um enorme social crowdsourcing, em ações colaborativas, ser pequeno é uma questão relativa: quanto menor, maior é a influência. Na era tecnológica, os Davis brigam com os Golias. Não por audiência, mas por vendas. É a antiga mas renovada batalha entre a tecnologia e o marketing, muito bem observada por Pyr Marcondes neste revelador artigo sobre o CES 2019. Mas eles não podem jogar no mesmo time? Claro! No mesmo time e no mesmo game!

O tamanho do jogador não importa: o nome do jogo não é basquete!

O cenário agora é o da hiper conectividade, onde cada pessoa é uma mídia. Os Influenciadores digitais estão ai para comprovar. Sejam eles mega, micro ou nano influencers, estes “novos canais de divulgação e aquisição” conseguem converter vendas em escala impressionante, justamente pela confiança que inspiram em seus seguidores. De acordo com uma pesquisa realizada pela revista americana Entrepreneur, a maioria (92%) dos consumidores confia mais em recomendações de produtos feitas por indivíduos do que por marcas. O mesmo estudo aponta que, atualmente, 74% dos consumidores usam redes sociais – habitat dos influenciadores – em suas decisões de compra. Um levantamento feito pelo LinkedIn aponta que profissionais que usam as redes sociais têm 51% mais chance de baterem suas metas que aqueles que não usam estes meios para vender. Estes mesmos vendedores têm um desempenho até 78% melhor que seus colegas desconectados. Além da saberem usar os meios digitais a seu favor e promover conteúdos como ninguém, eles tem outro ponto em comum: gostam de um desafio, querem usar e provar sua influência para ganhar reconhecimento e status nas redes. São digital players e social sellers nativos.

Pense então em um modelo que, ao invés de poucos falando para muitos, alguns dialogando com outros. Algo disruptivo começa a acontecer… A lógica se inverte: o efeito multiplicador cria um viral-referral-loop de aquisição e conversão. No lugar de celebridades digitais, os nano influencers, pessoas normais, iguais a qualquer outro usuário de internet e de redes sociais, mas com um diferencial único: a capacidade de influenciar de forma direta a opinião e a decisão de compra de amigos, amigos dos amigos, familiares, vizinhos e demais conhecidos, com credibilidade e efetividade. Cada um de nós hoje tem o grande poder de criar um efeito positivo em rede!

Cada brasileiro tem em média 854 contados nos meios digitais. Ou seja: qualquer mensagem multiplicada por este número tem um alcance nada desprezível. Vende mais? Proporcionalmente, as taxas de geração de Leads, de conversão de vendas e aquisição de novos clientes são muito mais altas: Segundo pesquisa Nielsen, 92% das pessoas impactadas por mensagens postadas por conhecidos sentem mais confiança neste tipo de recomendação. Como bem disse Renato Mendes e Roni Cunha Bueno no livro Mude ou Morra, “Cada pessoa é uma mídia…” Neste cenário, o networking dá lugar ao netfriending, com usuários usando sua rede de contados mais íntima para influenciar e gerar resultados comerciais surpreendentes.

Em um momento de constantes mudanças de hábitos de consumo e em plena transformação digital – onde mais de 70% da jornada de compras já é on-line, 50% dos consumidores são Millenials, profissionais que utilizam as redes sociais têm 51% a mais de chance de baterem suas metas, 90% da decisão de compra não responde a chamadas frias e seu concorrente ainda não utiliza estes recursos – um modelo híbrido de vendas e fidelização pode posicionar sua marca bem a frente. Qual modelo? O proposto pelo Gaminfluencer, que alia a incrível capacidade de engajar, converter e reter do Gamification à enorme capacidade convencimento e geração de negócios do Influencer Marketing.

Quer realmente inovar, gerar resultado e oferecer uma experiência única de compra e venda? Siga estes passos:

1 – Use uma plataforma própria para explorar o poder de convencimento dos pequenos influenciadores;

2 – Motive estes personal medias a participarem ativamente das suas estratégias de marketing estabelecendo metas claras e prêmios dentro de um digital game;

3 – Lance desafios e reconheça todos eles de acordo com o nível de engajamento de cada um;

4 – Converta e fidelize oferecendo experiências digitais únicas de curto, médio e longo prazo.

E claro, cuide muito bem deles: monitore, cative, envolva, conheça e, acima de tudo, reconheça estes players! Hoje são eles que ditam as regras deste jogo. Se bem jogado, todos vendem, todos vencem.

(*) CAdú sena é sócio fundador de OQ.

Share
Tags

Nplan Marketing

 

You Might Also Liked

3 ações que fazem da RD um GPTW para mulheres (e que podem ajudar sua empresa a ser também) Saiba o que é pipeline de vendas, como criar o seu e mensurar os indicadores corretos Por que seu negócio precisa de um plano emergencial de recuperação de dados? Como potencializar resultados com vendas sazonais Estratégias para diminuir seu ciclo de vendas Por que você ainda precisa de infográficos para a estratégia de Marketing de Conteúdo? 7 características importantes que devem ser observadas na hora de contratar um vendedor Como vender como afiliado: 5 dicas para alavancar as suas vendas
Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *