X
Menu
X

Brasil é o país que mais recebe ligações de spam no mundo, aponta Truecaller

Brasil é o país que mais recebe ligações de spam no mundo, aponta Truecaller

Ligações de números desconhecidos oferecendo produtos ou serviços a qualquer hora do dia cada vez mais fazem parte da rotina dos brasileiros. De acordo com o estudo Truecaller Insights, realizado pelo Truecaller, aplicativo gratuito que permite detectar e bloquear números indesejados, o Brasil é recordista mundial no recebimento de chamadas de spam, superando a Índia, líder do ranking em 2017. Segundo o levantamento, o usuário brasileiro do Truecaller recebe, em média, 37,5 chamadas de spam por mês, número que representa um aumento de 81% se comparado ao ano anterior.

A pesquisa apurou que as chamadas de telemarketing já haviam disparado no ano passado e correspondiam a 12% dos maiores spammers naquele período. Este ano, ligações deste tipo aumentaram 36%. Vale ressaltar que as eleições contribuíram para este crescimento, ocasionando uma onda de reclamações por parte dos usuários do Truecaller. As operadoras foram as maiores spammers do Brasil em 2017 (33%) e mantiveram o posto em 2018 (32%), geralmente com chamadas para informar sobre ofertas especiais para dados gratuitos ou chamadas ilimitadas.

Para Nick Larsson, responsável pela Área de Novos Negócios e Crescimento da Truecaller, empresa situada em Estocolmo, na Suécia, a quantidade de ligações mensais recebidas pelos brasileiros pode ser um problema. “O brasileiro recebe mais de uma chamada desse tipo para cada dia do mês, o que pode ser traduzido não apenas como um incômodo, mas também como um fenômeno que pode ter efeitos negativos sobre a produtividade no trabalho ou ainda sobre o tempo dedicado a familiares e amigos”, explica Larsson.

Também chama a atenção o crescimento das chamadas fraudulentas, que passaram de 1%, em 2017, para 20% neste ano. Entre os golpes mais comuns estão fraudadores que fingem cobrar dinheiro por motivos ilegítimos, como por exemplo, quando alguém liga para avisar que a eletricidade está prestes a ser desligada e que para evitar o corte é necessário transferir dinheiro imediatamente. Outro golpe bastante comum consiste em ligações de números desconhecidos, geralmente internacionais, que aparecem como chamada perdida. Ao retornar a ligação, o usuário paga uma alta taxa.  As chamadas incômodas (10%) são outro problema para os brasileiros. Nesta categoria, estão tipos mais gerais de chamadas indesejadas e não solicitadas como trotes ou ligações de assédio e falsas chamadas de sequestro. “Este é um problema sério porque pessoas mais idosas ou com menos estudo têm dificuldade em identificar que estão caido em um golpe. Nos Estados Unidos, há prejuízo de bilhões de dólares decorrentes deste tipo de ligação”, reforça Larsson.

Em outros países

Embora em volume a Índia receba o maior número de chamadas de spam no mundo, a média de ligações recebidas por usuário caiu 1,5% em relação a 2017. Ao analisar a divisão por categorias no país, houve um aumento substancial de chamadas provenientes de operadoras e provedoras de serviços de telecomunicação com ofertas e lembretes de saldo. Além disso, as ligações fraudulentas mais do que duplicaram em relação ao ano passado, passando de 3% para 7%. No Chile, terceiro colocado no ranking, as operadoras (29%) são as maiores spammers, seguidas por chamadas de cobrança de dívidas (25%) e serviços financeiros (23%).

A pesquisa constatou que os Estados Unidos passaram da segunda posição como país mais afetado pelas chamadas de spam para o oitavo lugar – comparado com 2017. Apesar da diminuição das chamadas de spam, o país ainda é fortemente afetado por golpes de telefone – 1 em cada 10 adultos americanos (10%) perdeu dinheiro com um esquema de telefone nos últimos 12 meses. Com uma perda média de US $ 357 por vítima, estima-se que o resultado dessas fraudes tenha custado a 24,9 milhões de americanos aproximadamente US $ 8,9 bilhões em perdas totais.

Também houve um grande aumento de chamadas de spam nos mercados europeus como Espanha (100%), Grécia (54,1%) e Itália (22,7%.) No entanto, a Turquia tem visto uma diminuição de chamadas de spam (18%). No que diz respeito aos países africanos, em 2017, Quênia, Marrocos, Egito e Nigéria figuraram na lista dos 20 principais países com mais spam. Em 2018, a África do Sul foi o único a aparecer no ranking. Por lá, a quantidade média de chamadas de spam aumentou de 15 para 21, o que representa um crescimento de 40%.  Ao analisar os dados dos maiores mercados, é possível notar categorias comuns que unem as chamadas de spam. As operadoras em todo o mundo são as maiores spammers. Em seguida aparecem as chamadas de telemarketing de serviços financeiros, cobradores de dívidas e assuntos relacionados a seguros. Sobre a Truecaller Insights

O primeiro Truecaller Insights foi publicado pela empresa em 2017 e trouxe dados dos principais países afetados por spam em todo o mundo. Neste ano, a empresa analisou com mais detalhes este problema que é crescente em todos os países participantes do levantamento. Vale dizer que somente em 2018, a Truecaller ajudou seus usuários a bloquear e identificar 17,7 bilhões de chamadas de spam. Também foram identificadas 74,1 bilhões de chamadas em geral para usuários do aplicativo, o que representa uma média de quatro chamadas de spam por usuário.

Os dados foram coletados anonimamente a partir das chamadas recebidas que foram marcadas como spam pelos usuários – ou foram sinalizados automaticamente pelo Truecaller durante o período de 1º de janeiro de 2018 a 30 de outubro de 2018.

Fonte: Proxxima

 

Nplan Marketing

 

You Might Also Liked

YouTube estreia Originals no Brasil YouTube lança premiação de campanhas no Brasil 30 anos da ADG Brasil e a 13a. Bienal Brasileira de Design Gráfico Transformação Digital está mudando todos os aspectos dos negócios tradicionais no Brasil Brasil perde quase 550 mil assinantes de TV a cabo em 2018 Mercado geek está pronto para pular de fase no Brasil P&G celebra 30 anos de Brasil com ação social Até 2022, Brasil deve alcançar 60,4 milhões de compradores digitais
Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *